[Atualizado] Todos os recordes quebrados por Pantera Negra (até agora)

Pantera Negra (resenha aqui), o mais recente filme do Marvel Studios lançado em fevereiro, que ainda está em cartaz mundo afora, é um sucesso tão inegável, que não para de bater recordes. Aqui vai lista:

  1. [Atualizado em 07/04] Somando mais de US$ 660 milhões nos Estados Unidos, Pantera Negra superou a arrecadação de Os Vingadores (US$ 623,4 milhões) e se tornou a produção de super-herói mais rentável da história no país;
  2. [Atualizado em 07/04] Pantera Negra é a 3ª maior bilheteria nos EUA de todos os tempos, ficando atrás apenas de Star Wars: O Despertar da Força (US$ 936,6 milhões) e Avatar (US$ 760,5 milhões);
  3. [Atualizado em 03/04] Por enquanto, o filme é 10ª maior bilheteria mundial de todos os tempos, passando dois dos grandes sucessos Disney A Bela e a Fera (2017) e Frozen;
  4. Pantera Negra tem a 5ª maior bilheteria de estreia de fim de semana de estreia nos EUA (US$ 202 milhões), mas o menor número de salas entre os 15 maiores filmes do ranking. São 4.020 salas de Pantera Negra e 4.134 para o primeiro lugar Star Wars: O Despertar da Força (US$ 247,9 milhões), 4.232 salas para o segundo lugar Os Últimos Jedi (US$ 220 milhões), 4.274 para Jurassic World no terceiro lugar (US$ 208,8 milhões) e 4.349 salas para Vingadores no quarto lugar (US$ 207,4 milhões);
  5. Com US$ 501,1 milhões arrecadados em 17 dias nos EUA, o filme se tornou o 3º filme a chegar mais rápido ao valor. Star Wars: O Despertar da Força é o 1º lugar, com US$ 540,05 arrecadados em 10 dias e Star Wars: Os Últimos Jedi é o 2º lugar com US$ 503,65 em 16 dias. Pantera Negra fica empatado em número de dias com Jurassic World, mas o filme da Marvel arrecadou US$ 2,546 milhões a mais no período;
  6. Durante o feriado President’s Day, Pantera Negra arrecadou US$ 40,2 milhões na segunda-feira e ultrapassou a marca de Star Wars: O Despertar da Força (US$ 40,1 milhões) no mesmo período;
  7. Nos primeiros 4 dias em cartaz, Pantera Negra fez US$ 242 milhões nos EUA, superando as expectativas do estúdio (que apontavam US$ 218 milhões numa segunda estimativa). Liga da Justiça, por sua vez, teve um desempenho abaixo do esperado no mercado norte-americano, arrecadando US$ 228,6 milhões depois de 14 semanas nos cinemas;
  8. Com US$ 202 milhões, Pantera Negra superou a marca de Deadpool, que somou US$ 132,43 milhões no seu fim de semana de estreia em 2016. No Brasil, o longa arrecadou US$ 9,5 milhões;
  9. Pantera Negra também superou a marca de melhor abertura no inverno, que era de Deadpool; com US$ 202 milhões contra US$ 132,43 milhões arrecadados no fim de semana de abertura no inverno norte-americano;
  10. Pantera Negra tem a segunda maior arrecadação em 4 dias de exibição nos EUA. Com US$ 242 milhões, o filme fica atrás apenas de Star Wars: O Despertar da Força, que somou US$ 288,07 milhões em 4 dias em 2015;
  11. Com US$ 202 milhões, Pantera Negra fica atrás apenas de Vingadores, que somou US$ 207,43 milhões no seu fim de semana de estreia em 2012. A mesma conta vale para o ranking dos filmes do Universo Cinematográfico da Marvel;
  12. Antes de completar a sua primeira semana em cartaz, Pantera negra já superava a arrecadação total nos EUA de Doutor Estranho (US$ 242,94 milhões), Thor: O Mundo Sombrio (US$ 227,12 milhões), Thor (US$ 206,24 milhões), Capitão América: O Primeiro Vingador (US$ 204,27 milhões), Homem-Formiga (US$ 200,38 milhões) e O Incrível Hulk (US$ 172,35 milhões);
  13. Com US$ 1,239 bilhão arrecadado mundialmente até agora, Pantera Negra já é a 3ª maior bilheteria do MCU, ficando atrás apenas de Vingadores: Era de Ultron (US$ 1,405 bilhão) e Vingadores (US$ 1,518 bilhão);
  14. Com US$ 270,9 milhões arrecadados em 12 filmes, o fim de semana de estreia de Pantera Negra teve a 3ª maior arrecadação geral nos EUA, com o filme da Marvel representando 74,5% dessa soma. O longa perde Star Wars: Os Últimos Jedi, que ocupa o primeiro e o segundo lugar do ranking representando US$ 305,55 milhões e 53,1% de US$ 281,19 milhões;
  15. Estreando em 4.020 salas nos EUA, Pantera Negra registrou uma arrecadação de US$ 50,25 mil por tela, ficando com o terceiro lugar no ranking, atrás de Star Wars: O Despertar da Força (US$ 59,982 mil por tela em 4.134 salas) e Star Wars: Os Últimos Jedi (US$ 51,987 mil por tela em 4.232 salas);
  16. Pantera Negra é o filme de um diretor afroamericano com a maior abertura de todos os tempos. Este é o 3º filme de Ryan Coogler, que lançou Fruitvale Station (2013) e Creed (2015);
  17. Pantera Negra é o filme de super-herói com a maior pontuação no Rotten Tomatoes: 97%;
  18. Pantera Negra ganhou a rara nota A+ no Cinemascore, uma honra que compartilha com seu colega Os Vingadores (2012);
  19. O público na estreia de Pantera Negra era composto por 45% de espectadores mulheres, ultrapassando os habituais 35~40% do público feminino de todos os outros filmes de super-heróis.

Ufa!
Será que ainda dá tempo de quebrar outros mais?

Fontes: Omelete, Comic Book Resources e Box Office Mojo.

Anúncios

[Resenha] Santa Clarita Diet – 2ª temporada

Chegou na última semana (dia 23) na Netflix a 2ª temporada de Santa Clarita Diet, série de comédia de terror com Drew Berrymore. O segundo ano está muito mais engraçado e trouxe mais camadas para a trama e aos personagens, introduzindo, inclusive, novos. As situações em que o inseparável casal Sheila (Berrymore) e Joel (Timothy Olyphant) são uma mais absurda do que a outra, e temos mais cenas cômicas e também grotescas, no qual também são arrastados o quase casal Abby (Liv Hewson), a filha de Sheila e Joel, e Eric (Skyler Gisondo), o vizinho da família.

Há um caminho tanto para a “cura” de alguns efeitos da condição de Sheila – que virou uma zumbi da noite pro dia e agora só se alimenta de carne humana – quanto para a causa, graças às investigações do quarteto. Nessa dinâmica, surge maior participação da personagem Ramona (Ramona Young), a atendente do mercadinho local, e também temos mais cenas no colégio dos garotos e no trabalho dos adultos, na corretora de imóveis. Só fiquei de cara com o TANTO de conhecimento que tem o Eric. Qualquer assunto científico ele tava lá entendendo tudo e até fazendo soro etc. Tá certo que ele é nerd, mas inteligência adolescente tem seus limites (risos).

A série tá de parabéns pois que parece que elevaram o roteiro a outro nível, as piadas são muito inteligentes, com sarcasmo e referências. SCD é recomendadíssima desde a 1ª temporada, mas essa segunda está excelente!

Título original: “Santa Clarita Diet”.
Ano de estreia: 2018.
Criado e produzido por: Victor Fresco, Drew Barrymore, Timothy Olyphant.
Elenco: Drew Barrymore, Timothy Olyphant, Liv Hewson, Skyler Gisondo, Thomas Crawford, Christina Ferraro, Terry Walters e Ramona Young.
Duração: 10 episódios de +/- 30 minutos cada.
Nota: 9,0.

[Resenha] Fatti Sentire

Olá, bambini!
Fazia tempo que não rolava uma resenha de álbum, hein?
Bem, e voltei com nada mais nada menos do que a italiana Laura Pausini – à qual amo de paixão – que está de volta quase 3 anos depois com seu 14º álbum de estúdio, “Fatti Sentire”.
Laura acertou bem e o disco está bem diverso, com músicas românticas, tristes, alegres etc, mas ela não “fugiu” muito ao seu estilo, como foi no álbum anterior – e não que isso tenha sido ruim –, mas parece que ela voltou mais Pausini do que nunca rs

.
Gostei da maior parte das músicas: “Non È Detto” (o 1º single lançado) é tocante; “Nuevo”, onde ela canta em espanhol (é a 1ª vez que ela coloca uma música em espanhol no álbum em italiano) e ela fez uma versão em português (diva poliglota é isso) com a dupla femineja Simone & Simaria chamada “Novo”, é bem dançante; as belas “La Soluzione”, “Due Finestri” e “Fai Quello Che Sei (Fantastico)”, “Un Progetto di Vita in Comune”; “E.STA.A.TE”, bonita música com um trocadilho bem bolado (“estate” é “verão” e “e sta a te” é “e depende de você”); “Frasi a Metà”, com letra triste e melodia revigorante; “No River is Wilder”, em inglês, é um hino, bem como “Il Caso è Chiuso”.

Tanto o álbum em italiano “Fatti Sentire” como espanhol “Hazte Sentir” já estão disponíveis no Spotify (aqui e aqui).

A Laura lançou um clipe até o momento para “Non È Detto”, arrasani numa bela locação e com um boy bonito:

Título: Fatti Sentire
Lançamento: 16 de março de 2018
Duração: 50:50
Gravadora(s): Atlantic, Warner Music.
Produção: Laura Pausini
Nota do Gilga: 8,5.

Chadwick Boseman e uma citação polêmica pouco comentada

Por Carol Buri

Até quando “separar o profissional do pessoal” é válido em Hollywood, ou até mesmo em nossas vidas? O astro de Pantera Negra (Marvel Studios), Chadwick Boseman se envolveu há algum tempo, mesmo que indiretamente, em uma das inúmeras polêmicas dos casos de assédio contra mulheres por artistas hollywoodianos. O caso inicialmente se deu devido a comentários que o ator de 40 anos fez relacionados a uma acusação de estupro envolvendo o diretor norte-americano Nate Parker, que ganhou um considerável destaque em 2016 com o lançamento de O Nascimento de uma Nação (2016), filme ao qual Chadwick estava envolvido e panfletando por conta da trama do longa, um filme que conta a história de Ned Turner, um homem escravizado que foi líder numa revolta de escravos nos EUA em 1831. Parker foi acusado de estupro em 1999 e inocentado, e a suposta vítima cometeu suicídio. Durante a press tour do filme, as acusações começaram a entrar em evidência e o filme perdeu espaço na mídia sendo eclipsado pelas acusações, e Chadwick falou sobre essa questão afirmando que “Depende de quão bom o cineasta é. Se o filme é incrível, então eles têm a capacidade de suspender nossa crença. Isso faz parte do teatro e o que é contar histórias”. É claro que o filme tinha uma grande importância social, mas basicamente pedir de forma discreta para deixarem de falar das acusações como se o caso não tivesse importância é uma atitude muito decepcionante, principalmente vinda de um ator como Chadwick Boseman que luta por minorias e costuma fazer discurso abordando questões sociais em Hollywood. Enquanto houver pessoas separando o pessoal do profissional, sendo seletivas sobre qual acusação devemos falar e qual não podemos, o silenciamento existirá dando suporte a artistas hollywoodianos que são acusados continuarem seguindo com suas carreiras, sendo enaltecidos pela academia cinematográfica, e ganhando prêmios, como nos casos de Casey Affleck e Gary Oldman. Em Hollywood são dois pesos e duas medidas?

[Atualizado] Novo trailer de Vingadores: Guerra Infinita

Finalmente saiu! Contemplem o segundo trailer legendado de Vingadores: Guerra Infinita:

No vídeo temos novas interações interessantes, e já começa com Gamora (Zoe Saldana) falando sobre seu pai,  Thanos (Josh Brolin), a do Senhor das Estrelas (Chris Pratt) criticando o plano de Tony Stark (Robert Downey Jr.), e Homem-Aranha (Tom Holland) se apresentando ao Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch). Também tivemos o primeiro vislumbre de Thanos usando sua armadura, o Fauce de Ébano, da Ordem Negra, e Steve Rogers (Chris Evans) num mano a mano (literalmente) com o Titã Louco (pra quem não sabe, é uma alcunha do Thanos rs).

Guerra Infinita estreia nos cinemas brasileiros em 26 de abril.

[Atualizado] Revelado pôster com os trocentos personagens:

[Resenha] Jessica Jones – 2ª temporada

Um ano e quatro meses depois, finalmente a Netflix lançou no dia 8 a 2ª temporada de Jessica Jones. Depois de sofrer nas mãos do vilão Killgrave (David Tennant), Jessica (Krystin Ritter) começa esta temporada sendo aclamada como heroína enquanto ela se atormenta por se considerar uma assassina depois que se viu obrigada a matar o vilão. Enquanto isso, Trish Walker (Rachael Taylor) investiga por si só a IGH, empresa que criou a medicação que transformava o policial Frank Simpson (Wil Traval) numa descontrolada máquina de combate, e ela acaba descobrindo que a IGH tem mais ligação com a Jessica do que se podia imaginar, e a detetive beberrona mergulha numa espiral de situações ligadas à sua origem e sua família.

O que eu gostei:
– Como esta temporada conseguiu dividir bem a importância das três principais personagens femininas: Jessica, obviamente, Trish, e Jeri Hogarth (Carrie-Anne Moss), cada uma em sua jornada própria mas uma influenciando a da outra;
– Alguns easter eggs foram interessantes. O meu favorito foi o do Ciclone (Jay Klaitz);
– Apesar de sofrida e um tanto exagerada, curti a trajetória de uma certa personagem aí pra conseguir poderes (e, assim, ficar mais parecida com sua contraparte dos quadrinhos). Estou ansioso em que como ela vai aparecer na 3ª temporada;
– Foi azucrinante, mas curti a participação de Killgrave num dos episódios;
– Episódios flashbacks costumam ser chatinhos, mas gostei do que rolou nesta temporada para explicar um pouco a dinâmica entre Jessica e Trish (e explicou porque a primeira se afastou da segunda numa certa altura da vida);
– Muito boa a iniciativa da Netflix em deixar só mulheres dirigem todos os episódios da série. Inclusão é isso.


.
O que eu não gostei:
– O novo interesse romântico da Jessica. Acho que não rolou a química. Eu quero é Luke Cage, porra!
Malcolm (Eka Darville). Eu até aguentei ele na 1ª temporada, mas nessa, não deu pra aturar. O maior drama queen da série toda;
– Por quê a Jessica não voa??? R.: A Netflix não quer gastar grana com esse efeito especial;
– Trama arrastada e sofrida. Mesmo pecado cometido na 1ª temporada, onde comentei na resenha que o arco com o Killgrave deveria ter sido resolvido em 8 episódios e não em 13, aqui neste ano, também acho que o arco dx vilãx não deveria ter se prolongado tanto. A 2ª temporada até que começou acelerada e eletrizante, mas o ritmo caiu da metade pro final.

Mais uma temporada em que Jessica Jones não ingeriu nada sólido.

.
Resumindo, até que foi uma temporada interessante e razoável, mas que ficou devendo em alguns aspectos, e exagerou em outros. Espero que eles acertem mais na 3ª temporada (se houver).

Título original: “Jessica Jones”.
Ano de estreia: 2017.
Criado por: Melissa Rosenberg.
Elenco: Krysten Ritter, Rachael Taylor, Carrie-Anne Moss, Eka Durville.
Duração: 13 episódios de +/- 52 minutos cada.
Nota do Gilga: 7.

Dafne Keen entra para o elenco da série de “A Bússola Dourada”

A adaptação da BBC da trilogia “Fronteiras do Universo” (His Dark Materials) do autor Phillip Pulman está em andamento. Foi anunciado ontem que o diretor Tom Hopper (O Discurso do Rei) está oficialmente a bordo da série de TV de oito partes. Também juntam-se à vindoura série Dafne Keen (Logan) e Lin-Manuel Miranda (Hamilton).

De acordo com o Deadline, Keen é cotada para interpretar o papel de Lyra Belacqua, uma órfã que vive num universo paralelo, a protagonista do livro “A Bússola Dourada”, enquanto Miranda é cotado para viver o balonista e aventureiro Lee Scoresby.

A série da BBC One baseada na trilogia que inclui, além de “A Bússola Dourada”, “A Faca Sutil” e “A Luneta Âmbar”. O projeto foi inicialmente encomendado em 2015 com a contratação de Jack Thorne para escrever a série, um pouco depois.

“Fronteiras do Universo” segue as aventuras de Lyra Belacqua e Will Parry enquanto eles exploram universos paralelos habitados por bruxas, ursos de armadura e daemons. A série começou com “A Bússola Dourada” em 1995, e teve grande aprovação de crítica em cada continuação. Um filme baseado no primeiro romance foi lançado em 2007, mas recebeu resenhas mornas e negativas à época.

Fonte: Comic Book Resources.

Apostas para o Oscar 2018

Olá, mancebinhos!
Neste ano resolvi fazer algo diferente e vou dar meus palpites sobre os indicados ao Oscar, de quem deve levar os prêmios.
Como eu não assisti a todos os filmes que estão concorrendo (mais porque fui muito criterioso para escolher qual deles valia a pena do que por falta de tempo), vou brincar com as armas que tenho e comentar, pra começar, sobre os filmes que estão concorrendo na categoria principal, de melhor filme:

• Me Chame Pelo Seu Nome:
O filme que fez bastante sucesso principalmente pelos LGBT, não achei isso tudo não. Mais um filme de temática gay com final triste. O que acontece durante a trama até que é interessante, mas enfim. Só quero saber como vai ser a continuação;

• Corra!:
O azarão do prêmio, o único filme de “terror” da lista. Não acho que é um filme de terror, tá mais pra thriller, mas pelo menos é melhor do que considerar um filme de comédia. Todo mundo paga pau pra Corra!, até achei interessante a proposta, e importante pela temática, mas não acho que seja uma obra prima não;

Lady Bird:
Minha aposta está em Lady Bird. Gostei bastante deste drama, que até consegue ser engraçado em alguns momentos. A atuação de Saoirse RonanLaurie Metcalf são 10/10;

• A Forma da Água:
Parabéns ao Guillermo Del Toro por esse filme sensível. É o favorito, apesar de eu não achar que ele mereça. Meio paradão e previsível. Mas sou fã do Doug Jones;

Os outros que eu não assisti: O Destino de Uma Nação (ouvi dizer que é chato, apesar de ter a atuação elogiada do Gary Oldman); Dunkirk (não curto muito filmes de guerra, nem vindo do Christopher Nolan); Trama Fantasma (nem sei do que se trata, só sei que tem a última atuação da carreira do Daniel Day-Lewis); The Post – A Guerra Secreta (ouvi dizer que é chatíssimo, então pulei); Três Anúncios Para um Crime (ouvi dizer que é pesado, mas nem foi por isso que não assisti, foi mais pela polêmica em torno do racismo).

.
Na categoria de melhor diretor, dos filmes que vi, fico entre Greta Gerwig (Lady Bird) e Del Toro (A Forma da Água);

Como melhor atriz, torço por Saoirse em Lady Bird. A Meryl Streep (que concorre por The Post) já ganhou demais, não acham? rs;

Para melhor ator, prefiro não opinar, pois dos filmes que assisti, eu não concordo (Timotheé Chalamet por Me Chame Pelo Seu Nome e Daniel Kaluuya por Corra!);

O mesmo acontece para melhor ator coadjuvante;

Para atriz coadjuvante, sou 100% Octavia Spencer (A Forma da Água). Ela arrasa no papel de amiga da protagonista, que é muda, por isso ela fala por ela e pela amiga;

Melhor roteiro original: Lady Bird;

Melhor roteiro adaptado: Me Chame Pelo Seu Nome (tem Logan, um filme de super-herói, concorrendo nessa categoria);

Melhor animação: Viva – A Vida é uma Festa (tem como dar outro resultado? hehe);

Melhor canção original: “Remember Me” – Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez, de Viva – A Vida é uma Festa (mas as outras concorrentes também são muito boas):

Para as premiações técnicas, eu passo, só vou torcer para os prêmios que Star Wars – Os Últimos Jedi: melhor mixagem de som, melhor edição de som, melhores efeitos visuais (que ainda tem Guardiões da Galáxia vol. 2, do Marvel Studios, mas não tem muitas chances) e melhor trilha sonora original (John Williams, né, gente).

E quais as apostas de vocês?

A cerimônia do Oscar 2018 é hoje às 22h (horário de Brasília).