Nomes em português dos pokémon da Geração VI

Continuando a série de nomes traduzidos/adaptados para o português dos pokémon, seguem agora os monstros da Geração VI (da região de Kalos, apresentada nos games X e Y):

Fonte: Bulbapedia.

Os posts das outras gerações estão aqui:
Geração I
Geração II
Geração III
Geração IV
Geração V

Anúncios

[Atualizado] SDCC 2017: Novidades Marvel Studios

O painel da Marvel ainda tá rolando na SDCC (portanto, aguarde atualizações nas próximas horas neste post) e o que mais chamou a minha atenção, até então, foi o sensacional novo trailer para Thor: Ragnarok. Assista abaixo:

Acontece tanta coisa que até fiquei tonto, bicho! Hela (Cate Blanchet) foderosa! Hulk (Mark Ruffalo) de corte novo e falando! Valquírias vs. Hela! Hulk vs. Fenrir e Surtur! Valquíria (Tessa Thompson) de armadura! Thor (Chris Hemsworth) invocando relâmpagos sem o martelo! FODA!
E ainda tem novo e belíssimo pôster para o filme:

Capitã Marvel
Finalmente novidades para o 1º filme de heroína da Marvel! Foram mostradas artes conceituais do uniforme (bem parecido com o dos quadrinhos) da Capitã Marvel (Brie Larson), e dos vilões, os alienígenas Skrulls (enfim sabemos que os direitos desses personagens não estão com a Fox), e que a trama se passará nos anos 1990 (e como isso se encaixa no Universo Cinematográfico Marvel, isso que eu quero ver) e terá a participação de Nick Fury (Samuel L. Jackson) ainda com os dois olhos.

O filme estreia em 8 de março de 2019.

Homem-Formiga e a Vespa
Revelado a logo do segundo filme do Homem-Formiga (Paul Rudd) que será coprotagonizado pela Vespa (Evangeline Lilly). Também foi revelado que a atriz Michelle Pfeiffer será a Vespa original, esposa de Hank Pym (Michael Douglas) e mãe de Hope (Evangeline) que morreu durante uma missão nos anos 1990.

O filme estreia em 5 de julho de 2018.

[Atualizado] Revelado 1º pôster de Pantera Negra, que estreia no Brasil em 15 de fevereiro de 2018:

SDCC 2017: Novidades DC/Warner

Sem mais delongas, o mais foda de todas as novidades da DC/Warner: novo trailer de Liga da Justiça:

Hoje mais cedo foi revelado pôster que faz homenagem à arte de Alex Ross:

Liga da Justiça estreia em 16 de novembro no Brasil.

Flash
O filme do Flash teve novo título revelado: The Flash: Flashpoint. Não esperem muita relação com os quadrinhos, onde o Flash acidentalmente reescreve a linha do tempo da DC. Vamos esperar para ver do que se trata esse filme. Flash estreia no Brasil em 15 de março de 2018.

Mulher-Maravilha 2
Depois do estrondoso sucesso de público e crítica nos cinemas com o primeiro longa da guerreira amazona, Mulher-Maravilha 2 foi confirmado pela Warner e terá a volta da diretora Patty Jenkins. Sem data de estreia definida.

Shazam
Anunciado mais um filme para o Universo DC nos cinemas: Shazam. O filme será dirigido por David F. Sandberg (Annabelle 2 – A Criação do Mal), e não terá a participação de The Rock como o Adão Negro. Nenhum nome do elenco foi anunciado. Shazam chegará nos cinemas em abril de 2019.

 

A 13ª reencarnação de Doctor Who é MULHER

AEEEEE!!! Finalmente a BBC ouviu o apelo dos fãs e anunciou uma mulher para interpretar a 13ª reencarnação do Doutor em Doctor Who. Assista ao vídeo de anúncio abaixo:

A atriz chama-se Jody Whittaker, que já trabalhou na série Broadchurch e em diversos filmes, como “Ataque ao Prédio” (2011) e “Mar Negro” (2014).

Os fãs mais atentos já haviam percebido algumas dicas no último episódio da atual temporada (10ª) que uma mulher poderia interpretar o protagonista na série. A 1ª aparição de Jody como o Doutor poderá ser vista no costumeiro especial de Natal, quando ocorrerá a regeneração do atual intérprete Peter Capaldi.

Estamos ansiosos para te ver, Jody!

P.S.: Chorem, machistas!

Kingdom Hearts III ganha novo trailer e será lançado em 2018!

AGORA VAI, Square-Enix!??

Está rolando nesta semana a D23, exposição onde a Disney anuncia suas novidades, e uma delas foi Kingdom Hearts III que finalmente foi anunciado para 2018, ainda que sem data exata. Segue novo trailer, em japonês, com a uma novidade: um mundo de Toy Story:

É só isso mesmo o post, mas ansioso desde já para o ano que vem!

[Resenha] Homem-Aranha – De Volta ao Lar

Nos cinemas brasileiros desde o dia 5, “Homem-Aranha – De Volta ao Lar” já é um sucesso de público e de crítica, e com razão. Ainda saturado com o fato do personagem estar no 3º ator a interpretar Peter Parker/Home-Aranha e ganhar dois filmes de origem nos últimos 15 anos apenas, e os últimos três filmes do personagens terem sido decepcionantes, muitas pessoas – incluindo euzinho – já não aguentavam mais os recomeços do Cabeça de Teia nos cinemas, e já achavam que “De Volta ao Lar” seria outro filme ruim. Ledo engano.

Já ligadinha nas cagadas passadas, a Sony – detentora dos direitos do Aranha nos cinemas –, usou da esperteza e, num acordo com o Marvel Studios, criou esse filme que foi praticamente feito meio a meio pelos dois estúdios, mas tudo começou em “Capitão América – Guerra Civil” (2015), quando Tom Holland viveu o personagem pela 1ª vez, ao ajudar o time do Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) a tentar capturar os membros do time do Capitão América (Chris Evans). E ao que parece, isso vai durar até que seja gravada uma trilogia solo para o Aranha, enquanto isso o personagem participa de Vingadores 3 e 4.

Mas vamos lá: “De Volta ao Lar” é o melhor filme de super-heróis? Não. Eu diria que o filme é até despretensioso e cumpre bem com seu intuito, que é contar uma boa história do Homem-Aranha. Então “De Volta ao Lar” é o melhor filme do Homem-Aranha? Eu diria que não, mas considero este filme tão importante e divertido quando o primeiro filme do Sam Raimi, de 2002, com Tobey Maguire interpretando o personagem-título, e que, junto a primeiro filme dos X-Men (2000), da 20th Century Fox, ajudou o gênero de filmes de super-heróis a dar um salto e ser o grande mercado que é hoje, e também não devemos nos esquecer daquela ansiedade e emoção que foi ir ao cinema para ver o primeiro filme de um dos personagens mais queridos da Marvel, e ver em 3D o Amigão da Vizinhança balançando-se nas suas teias pelos arranha-céus de Manhattan. Mas “De Volta ao Lar” é para a atual geração o que o 1º filme do Sam Raimi foi para a da de 15 anos atrás.

O que eu gostei:
* A parte do colégio. Trouxe uma faceta ao Peter Parker pouco explorada nos filmes anteriores (só no 1º deles, de 2002, mas eram um bando de atores com mais de 20 anos interpretando adolescentes no colegial, então não conta muito), e deu ao herói no cinema uma fidelidade maior ao que os quadrinhos eram nos anos 1960 e também usou como inspiração os anos iniciais da versão do Universo Ultimate do personagem, bem como o que é o Aranha Miles Morales, que, assim como o Peter de Tom Holland, também tem 15 anos de idade. Gostei muito do Parker na escola (aliás, eu diria que esse núcleo apareceu uns 50% de tela), e ele tendo que lidar com suas escolhas, como fazer uma prova, sair com a garota que gosta ou combater o crime sendo seu alterego mascarado. É isso que é o Homem-Aranha de verdade;
* A diversidade étnica do elenco. Não fez diferença se o interesse amoroso de Peter não era loira ou ruiva, ou se o Flash Thompson (Tony Revolori) não era um valentão loiro, porque o que importa é o talento dos atores, sem contar que traz para os dias atuais a miscigenação que é os EUA e também o mundo, muito diferente do que foi retratado nos quadrinhos dos anos 60. Deixo aqui meu joinha para a atuação de Jacob Batalon, o Ned Leeds e melhor amigo de Peter, e pela composição da personagem da Zendaya, a Michelle, que luta contra injustiças e pelas minorias num momento atual tão oportuno. E legal ver gente conhecida de várias séries de TV, incluindo do elenco de Orange is the New Black, Orphan Black Geeks & Freaks;
* Nerd tímido e azarado, herói engraçado. Isso também é uma parcela muito fiel ao herói original dos quadrinhos, e enfim tivemos isso plenamente nos cinemas;
* Tom Holland É o Homem-Aranha/Peter Parker. Sem contar que ele é um atorzão da porra! Eu já vi isso em “O Impossível” (2012) quando ele tinha apenas 15 aninhos;
* Os fan services (afinal, eu sou fã e quero ‘service’ rs). Estavam lá várias homenagens aos quadrinhos, como o que ocorreu em Amazing Spider-Man #33 (1963) (quem viu o filme, vai se lembrar só pela capa da HQ), uma cena de Ultimate Spider-Man #42 (2000), uma referência à capa de Amazing Fantasy #15 (a 1ª aparição do personagem nos quadrinhos, em 1962) num dos posteres do filme etc, sem contar que muitos personagens diferentes do Aranhaverso aparecerem rapidamente ou foram citados, como o vilão Escorpião e até o próprio Miles Morales;
* Tanto o vilão Adrian Toomes/Abutre quanto à atuação do Michael Keaton (o que é aquela cena dentro do carro, antes do baile?). O vilão tem um ótimo visual e uma boa motivação, e foi um páreo duro para o Aranha de verdade. E rolou um easter egg do filme do Batman do Tim Burton (1989), cês viram?
* A versão do Michael Giacchino para o tema clássico do desenho animado. Que coisa linda!


O que não gostei:
* Por mais que me digam “Ah, até que o Tony Stark não roubou o protagonismo do Homem-Aranha”, a presença do bilionário e alterego do Homem de Ferro me incomodou sim. “Ah, mas o Peter precisava de uma figura paterna para aconselhá-lho e ajudar o jovem a entrar nos trilhos, fazendo as vezes de Tio Ben”. Bom, nos quadrinhos ele não tinha essa figura paterna depois da morte do tio e mesmo assim ele se saiu bem (se dando mal a maioria das vezes, mas o herói tá aí depois de 50 anos), não?
* A falta do sentido de aranha. Algumas porradas e ataques surpresa poderiam ter sido evitados se este poder do Aranha estivesse presente na película. O próprio diretor, Jon Watts, afirmou que o sentido de aranha vai ser explorado no próximo filme do herói;
* Um pouco de medo do que a Sony pretende fazer daqui pra frente. Ela pode ter acertado a maior parte deste primeiro filme, mas os anunciados filmes do Venom (com Tom Hardy como Eddie Brock) e das personagens femininas Silver Sable e Gata Negra, que patacoada nisso tudo vai dar, incluindo ainda a insinuação de que o Sexteto Sinistro pode aparecer em outro filme do Aranha. Adoraria ver o Cabeça de Teia enfrentando o grupo de super-vilões, mas não tão cedo. Espero que eles introduzam mais vilões e façam num terceiro filme, talvez. Lembram quando a Sony queria fazer um filme solo do sexteto e jogou alguns deles nos nossos colos alguns personagens em “O Espetacular Homem-Aranha 2”?

Resumindo, o novo filme do Homem-Aranha é divertido e necessário para os tempos atuais, e ele dá uma boa nova chance para termos ótimas histórias solo de um dos mais importantes personagens dos quadrinhos.

Título original: “Spider-Man – Homecoming”.
Ano: 2017.
Diretor: Jon Watts.
Elenco: Tom Holland, Michael Keaton, Jon Favreau, Laura Harrier, Zendaya, Donald Glover, Marisa Tomei, Robert Downey Jr. etc.
Duração: 133 minutos.
Nota do Gilgamesh: 9.

[Atualizado] [Resenha] Castlevania

Estreou hoje na Netflix a série animada Castlevania, inspirada na saga de games da Konami, e vou dizer pra vocês: é SENSACIONAL!!
São 4 episódios de 25 minutos (o que é uma pena) e conta a história do conde Vlad Tepes da Wallachia (Valáquia), o vampiroso mais conhecido de todos os tempos, também chamado de Drácula, e em como uma injustiça trágica contra ele (inclusive muito triste o que acontece com ele, não tiro parte da razão dele) levou-o a amaldiçoar (pra dizer o mínimo) a região. A bagunça causado pelo conde chega até outra cidade, onde encontramos um desiludido e embriagado Trevor Belmont, o último de sua família que foi desgraçada depois de ser excomungada pela Igreja por insistirem em continuar no ramo de caçar monstros e vampiros (o que é feito por gerações na família). Gostei do Trevor porque ele não é o herói básico, perfeito e alinhado como estamos costumados a ver. Ele é falho mas mesmo assim luta pelo que acha que é certo. Mais pra frente na trama somos apresentados a mais dois personagens que serão importantes: Sypha Belnades, jovem membra dos Oradores (Speakers), uma espécie de seita que acredita que todo conhecimento deve ser passado oralmente (“a palavra é viva”) e não escrito, e ela possui alguns truquezinhos mágicos nas mangas; e Adrien Tepes, vulgo Alucard, o filho do próprio Drácula, que é outro vampirão com poderes e habilidades cabulosas. Caras, como eu adorei esse personagem! Confesso que ainda não joguei nenhum game da saga, mas gostei bastante do clima dessa série.

Tenho que deixar registrado aqui também a minha satisfação com a atuação de Richard Armitage (“O Hobbit”), o dublador original do Trevor e que fez uma dublagem sensacional para o herói. Aquele sotaque e aquela entonação estão formidáveis! E também parabenizar as mentes por trás da produção, Adi Shankar (“A Perseguição”), que criou e produziu, e Warren Ellis (“Authority” e “Planetary”), famoso quadrinista que escreveu a história para a série. A trama medieval é bem sangrenta (vão ocorrer algumas mortes que você vai exclamar “Eita, porra!”), eletrizante e divertida.

Não deixem de conferir essa série, é bem rapidinho e muito proveitosa.

Título original: “Castlevania”.
Ano de estreia: 2017.
Criado e produzido por: Adi Shankar, Fred Seibert, Kevin Kolde, Warren Ellis, Larry Tanz, Toshiyuki Hiruma.
Elenco (voz): Graham McTavish, Richard Armitage, James Callis, Alejandra Reynoso, Emily Swallow, Matt Frewer, Tony Amendola.
Duração: 4 episódios de +/- 25 minutos cada.
Nota: 10.

[Atualizado] A Netflix confirmou hoje a confirmação da 2ª temporada, e com uma grande notícia: serão mais 8 episódios!

The Umbrella Academy ganhará série na Netflix

A HQ “The Umbrella Academy”, escrita por Gerard Way, ex-vocalista do grupo My Chemical Romance, e ilustrada pelo paulistano Gabriel Bá, vai virar série na Netflix, publicou o “Comicbook.com”.

Lançada em 2007 pela editora Dark Horse, a história teve os direitos adquiridos pelos estúdios Universal, que, inicialmente, queria transformá-la em longa-metragem, mas acabou a entregando à sua produtora de TV, a Universal Cable Productions.

A HQ acompanha um grupo de seis crianças com superpoderes que foram adotadas por um milionário e criadas como super-heróis. Após a morte do pai, eles se reúnem para combater o mal e salvar o planeta. No Brasil, a história foi lançada pela editora Devir (resenhei o 1º volume aqui).

Ainda não há informações sobre a direção e o elenco da nova atração. Segundo a imprensa americana, o roteiro da série deve ser baseada no roteiro de Jeremy Slater (“Quarteto Fantástico”).

Fonte: Uol.