Invincible, outra HQ do criador de The Walking Dead, ganhará série animada

O ator Steve Yeun voltará a trabalhar com Robert Kirkmam (criador de The Walikng Dead) em Invincible (Invencível), a nova série adulta animada da Amazon.

“Robert Kirkman agora está fazendo uma série animada de sua HQ chamada Invincible, que estreia na Amazon no próximo ano, acredito. E com um grande elenco. Mark Hamill, Sandra Oh, J.K. Simmons, Zazie Beetz“, disse Yeun na Walker Stalker Con London, acrescentando que a série “com esperança terá muitas temporadas”.

O astro, que tem muitas participações em dublagens incluindo Voltron, Stretch Armstrong & the Flex Fighters e Trollhunters: Tales of Arcadia, será o protagonista, emprestando sua voz para o garoto de 17 anos chamado Mark Grayson, que descobre que seu pai é o Omni-Man (vivido por Simmons), o super-herói mais poderoso da Terra. Mark desenvolve seus próprios superpoderes e embarca em sangrentas aventuras heroicas, encontrando os grupos Teen Team e os Guardians of the Globe.

Além de Hamill (Star Wars), Simmons (Liga da Justiça), Oh (Killing Eve) e Beetz (Deadpool 2), outras estrelas entre os previamente anunciadas incluem Seth Rogen (Superbad), Gillan Jacobs (Community), Walton Goggins (Homem-Formiga e a Vespa), Jason Mantzoukas (Parks and Recreation), Mae Whitman (Arrested Development), Chris Diamantopolous (The Office), Melise (The Flash), Kevin Michael Richardson (Os Simpsons), Grey Griffin (DC Super Hero Girls), Max Burkholder (Family Guy) e Andrew Rannells (Big Mouth).

Na San Diego Comic-Con do ano passado, Kirkman, que vai escrever o piloto, prometeu que a série será “tão violenta quanto os quadrinhos”.

Anúncios

Novidades sobre o Disney+, streaming da casa do Mickey

Disney anunciou oficialmente nesta quinta-feira (11) que vai lançar uma série protagonizada por Falcão e Soldado Invernal e outra que foca em Feiticeira Escarlate e Visão; ambas chegam no primeiro ano do serviço Disney+.

Os anúncios vieram acompanhados da divulgação do logo oficial de Falcão e o Soldado Invernal, que foi apresentado durante reunião com investidores da gigante do entretenimento. O seriado será estrelado por Anthony Mackie e Sebastian Stan, que interpretam os personagens do título no Universo Cinematográfico da Marvel.


Embora a existência do seriado Falcão e o Soldado Invernal já tivesse sido antecipada por um dos responsáveis pelo projeto, a empresa ainda não o havia confirmado formalmente.

A Disney também revelou que Elizabeth Olsen e Paul Bettany irão interpretar, respectivamente, a Feiticeira Escarlate e o Visão, assim como fizeram nos filmes do MCU, na série WandaVision.

Kevin Feige, o presidente do Marvel Studios, revelou alguns detalhes sobre a série What If..? (“O que aconteceria se..?”), série da Marvel que deve explorar realidades interessantes e improváveis. Segundo Feige, a série será uma animação, tendo o primeiro episódio focado no que aconteceria se Agente Peggy Carter recebesse o soro do Super Soldado no lugar de Steve Rogers, enquanto nosso querido Steve usaria uma armadura criada por Howard Stark.

O presidente da Marvel Studios não entrou em muitos detalhes além disso, mas confirmou que a maioria dos atores de Capitão América irão retornar para dublar os personagens na série.

Nos quadrinhos as histórias de O Que Aconteceria Se?, costumam ser uma grande viagem, mostrando o que poderia mudar no universo da Marvel caso alguns detalhes de suas histórias fossem modificadas.

Durante conferência, Kathleen Kennedy e Jon Favreau subiram ao palco para falar sobre sobre The Mandalorian, primeira série live-action de Star Wars para o Disney+.

Além de confirmarem que a série será lançada no primeiro dia do streaming, a dupla confirmou que a primeira temporada da série terá 8 episódios.

The Mandalorian é ambientada após a queda do Império e antes da emergência da Primeira Ordem. Ela segue as viagens de um pistoleiro solitário (Pedro Pascal) nos confins da galáxia, bem longe da autoridade da Nova República.

O elenco da série conta com os nomes de Pedro Pascal, Gina Carano, Nick Nolte, Giancarlo Esposito, Emily Swallow, Carl Weathers, Omid Abtahi e Werner Herzog.

A plataforma do Disney+ será lançada primeiro nos Estados Unidos, em 12 de novembro de 2019, e chegará em outros países selecionados posteriormente. Na América Latina, incluindo no Brasil, o lançamento deve acontecer até 2021.

Disney+ estará disponível para Smart TVs, smatphones, tablets, dispositivos inteligentes como Apple TV e Chromecast, bem como para consoles como PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch. Nos Estados Unidos, a assinatura mensal custará US$ 7 por mês, enquanto a anual será US$ 70 — cerca de R$ 27 e R$ 270, respectivamente. As contas poderão ser separadas por perfis customizáveis, assim como acontece na Netflix.

No dia do lançamento, o catálogo do serviço vai incluir todas as animações da Disney e da Pixar, além dos curtas animados dos estúdios. Será possível baixar todo o conteúdo do serviço, de forma que os usuários possam assistir os filmes, séries e documentários offline, sem conexão com internet.

As duas primeiras trilogias de Star Wars chegarão na estreia do serviço, bem como Star Wars: O Despertar da Força e Rogue One. Os Últimos Jedi, Han Solo e Star Wars: Episódio 9 chegarão posteriormente. A série animada Star Wars: Clone Wars, que terminou repentinamente na sexta temporada, ganhará novos episódios no Disney+.

Além da confirmação das séries do Loki, a Disney também anunciou a produção de um documentário sobre os bastidores de Frozen 2 e uma série de curtas protagonizada por Forky, um dos novos personagens de Toy Story 4. Do catálogo da Marvel, Disney+ vai incluir vários filmes do MCU no lançamento, como Capitã Marvel, Vingadores: Guerra Infinita, Pantera Negra e mais.

Com a recente aquisição da Fox pela Disney, a empresa aproveitou para anunciar que as primeiras 30 temporadas de Os Simpsons estarão disponíveis no lançamento da plataforma.

Fontes: IGN Brasil, Observatório do Cinema e Legião dos Heróis.

Disney anuncia série de TV de Loki

O CEO da Disney Bob Iger confirmou que o Marvel Studios está desenvolvendo uma série de TV sobre Loki, o deus da trapaça, para o serviço de streaming Disney+Tom Hiddleston retornará ao papel. No entanto, o anúncio não revelou nenhum nome para a direção e o roteiro, nem quantos episódios o seriado terá.

Rumores sobre a produção já circulavam desde setembro. Segundo a Variety, Kevin Feige fará a produção da série, que deve ter entre seis e oito episódios.

Além do seriado com Hiddleston, fontes do site ainda sugerem que a Disney trabalha em uma série sobre a Feiticeira Escarlate – que ainda poderia ter a participação do Visão – e outra sobre a dupla Soldado Invernal e Falcão. A ideia seria desenvolver histórias para personagens que não tiveram um filme-solo, o que abre a possibilidade mais personagens migrarem dos cinemas para as telinhas.

Fonte: Omelete.

[Primeiras Impressões] Titans

Para inaugurar o DC Universe, o canal de streaming da Warner/DC, em 12/10 estreou a série live-action Titans, baseada na superequipe Novos Titãs.

A série, apesar de mostrar adolescentes (nem todos), é mais adulta e bem violenta, se comparada com suas “primas” do Arrowverse (CW). Já no primeiro episódio, o Robin (Brenton Thwaites) não só espanca como ARREGAÇA uns bandidos e ainda manda o famigerado “Fuck Batman!” (aliás, bem bolado todo o contexto).

Além do ex-parceiro-mirim do Homem-Morcego, a série mostrou, nos primeiros três episódios, a Rachel “Ravena” Roth (Teagan Croft), personagem chatíssima (pelo menos aqui) e que parece ser o elemento central desta temporada, visto que inúmeros personagens querem matá-la, sequestrá-la ou protegê-la; uma desmemoriada Kory/Estelar (Anna Diop), que eu ainda não saquei qual é a dela, só que é bem poderosa; um Gar/Mutano (Ryan Potter) de relance e um pouco descaracterizado; Rapina (Alan Ritchson) e Columba (Minka Kelly), os heróis humanos com uniformes ridículos que tiveram suas origens ligadas à de Robin.

Tá. Pegando. Fogo. Bicho.


Eu sinceramente odiei as perucas/tingimentos dos personagens que são devidamente coloridos no original – Ravena, Estelar e Mutano -, acho que a escolha criativa não teve boa transposição de uma mídia pra outra. O único que teve uma boa caracterização é o Robin, por enquanto.

Quanto à trama, nestes primeiros episódios ainda tá tudo meio bolado, não deu pra sacar o que a origem da Ravena tem a ver com a porra toda, e porque a Kory perdeu a memória, mas estou dando o benefício da dúvida, visto que esta temporada terá 12 episódios. E espero muito que a série mostre logo a que veio. Estou ansioso pelo que ainda está por vir, como a Patrulha do Destino (com Brendan Fraser interpretando o Homem-Robô) e a Moça-Maravilha (Conor Leslie).

Com a segunda temporada já encomendada e com a exibição prometida também na Netflix (ainda sem data), Titans é a oitava série de TV em exibição baseada em personagens da DC Comics.

[Resenha] Castlevania – 2ª temporada

Também no dia 26 estreou a segunda temporada da série animada Castlevania, baseada na saga de games da Konami. E Castlevania voltou BEM diferente neste ano. Conto mais nos pontos positivos e negativos da 2ª temporada:

O que eu gostei:
– Pra começar, uma série TOTALMENTE NOVA. Parece que tentaram apagar os deslizes cometidos na temporada anterior (resenha aqui) e reescreveram a série com outro clima, outra pegada, e tá muito melhor, viu;
– A trama desse ano introduz vários personagens, os generais do Drácula – vampiros e humanos – que parecem ser de diferentes partes do mundo: Godbrand, que é um viking sanguinário e está sempre questionando as decisões de seu líder e seus companheiros; Isaac e Hector são humanos e os mestres da forja do Drácula. Isaac cria o Exército da Noite (criaturas demoníacas) enquanto Hector tem o poder de ressuscitar os mortes com seu martelo mágico; Carmilla, uma poderosa vampira que se alia a Drácula, mas suas intenções são outras, e ela se mostra uma perigosa estrategista;
– A dinâmica entre o trio de heróis Trevor Belmont, Alucard e Sypha é muito boa, com o filho do Drácula e Trevor se provocando o tempo todo e Sypha sendo a adulta tentando pôr razão na cabeça da dupla;
– A maior parte das cenas de luta são épicas, principalmente as que envolve o Alucard, que tem os poderes mais fodas da série;
– O estupendo castelo móvel do Drácula;
– A Estrela da Manhã (Morning Star);
– A batalha final contra o Drácula ♥

Trevor encontra uma nova arma.


O que eu não gostei:
– O traço do desenho e a animação estão com a qualidade inferior em relação ao ano anterior (DBZ, é você? rs), apesar de ainda ser bom e não comprometer muito a trama.

Apesar desta temporada focar mais no vilão do que no mocinho principal (Trevor), a trama é interessante e tem um excelente ritmo, onde vê-se o empenho dos roteiristas de trazer o lado “humano” de Drácula à tona e em como ele abandonou tudo após à morte de sua esposa Lisa (na 1ª temporada, tem um rápido flashback no episódio 2×01 que mostra outro ponto de vista sobre a morte dela), além de explorar um pouco o relacionamento do vampirão bigodudo com seu filho e jogar luz no passado (e antepassados) de Trevor.

A temível Carmilla, e Hector ao fundo.


Castlevania se mostrou um dos desenhos originais Netflix mais sensacionais até agora. Recomendadíssimo!

Título original: “Castlevania”.
Ano: 2018.
Criado e produzido por: Adi Shankar, Fred Seibert, Kevin Kolde, Warren Ellis, Larry Tanz, Toshiyuki Hiruma.
Elenco (voz): Graham McTavish, Richard Armitage, James Callis, Alejandra Reynoso, Emily Swallow, Matt Frewer, Tony Amendola.
Duração: 8 episódios de +/- 25 minutos cada.
Nota: 9,5.

[Resenha] Chilling Adventures of Sabrina – 1ª temporada

Na última sexta (26) estreou a 1ª temporada (ou 1ª parte, como está identificado) na Netflix a série Chilling Adventures of Sabrina (ou “O Mundo Sombrio de Sabrina”, em português), que é um “spin-off” de Riverdale (CW) e também baseada nos quadrinhos da Archie Comics.

Esqueça aquela série dos anos 1990, com Melissa Joan Hart no papel-título e o Salem animatrônico e engraçadalho. Como o próprio título da série Netflix sugere, a atual releitura é sombria e nada adolescente, com menções ao próprio Satã e rituais macabros, sacrifícios e mortes sangrentas e muitos sustos de verdade, além de cenas de nudez, inclusive da própria Kiernan Shipka que interpreta Sabrina Spellman (a atriz já tem 18 anos, ok?), pois afinal, foi baseada na série atual de quadrinhos de mesmo título, escrita também por Roberto Aguirre-Sacasa, o criador/roteirista das séries de TV Riverdale e Sabrina. Essa série é BAPHO e eu ainda não sei como as mães cristãs não fizeram boicote e alarde nas redes sociais por ser uma série pra lá de satânica (vai ver, porque elas ainda não assistiram rs).


Sabrina Spellman aniversaria em 31 de outubro (Halloween) e precisa decidir se assina ou não o Livro da Besta para assim entregar sua alma/liberdade a Lúcifer e receber os poderes plenos de bruxa ou manter sua vida humana com seus amigos, namorado e escola.
Os outros personagens são:
Zelda (Miranda Otto) e Hilda (Lucy Davis): as tias de Sabrina que a criaram desde as mortes dos pais dela. Administram uma funerária. Zelda é a mais severa porém protetora, e Hilda é a “mãe” boa que acaba fazendo as vontades da sobrinha;
Ambrose (Chance Perdomo): primo de Sabrina, que cumpre pena domiciliar e não pode sair de casa. Ele é responsável pelas autópsias e prepara os mortos para funerais. Sabrina sempre consegue ajuda dele. Ambrose é LGBT e ganha um interesse romântico masculino durante a temporada;
Harvey Kinkle (Ross Lynch): O boy da Sabrina. Ele é romântico e dedicado, o que torna a escolha da bruxinha entre escolher o mundo mortal ou das bruxas ainda mais difícil;
Mary Wardwell (Michelle Gomez): a solteirona e recatada professora de Sabrina, que acaba sendo “possuída” por uma entidade que a torna uma sexy e poderosa aliada/ameaça na vida de Sabrina. Ela está em toda parte vigiando a bruxinha, pessoalmente ou com seu corvo chamado Stolas;
Roz Walker (Jaz Sinclair) e Susie Putnam (Lachlan Watson): as amigas mais chegadas de Sabrina. Roz tem miopia degenerativa e, posteriormente, descobre um segredo em sua linhagem, enquanto Susie sofre bullying homofóbico por sua aparência.

A trama é uma montanha-russa de emoções e vemos Sabrina e aliados se metendo em altas tretas, com direito a feitiços dos mais diversos (tem muito “xingamento” em latim, o que achei bem bolado), uns plots twists sinistros (estou ainda chocado com o que Sabrina fez no episódio 8), que nos presenteou com assassinatos, vudus, ressurreições, zumbis, espíritos malignos, possessões, exorcismos e cavaleiros apocalípticos.

Um batismo pra lá de sombrio.


O Mundo Sombrio de Sabrina me surpreendeu bastante, pois desfez a imagem que eu tinha da personagem e apresentou novas abordagens interessantes tanto de história quanto como série em si. Recomendado (para quem não tem coração fraco rs).


Título original: “Chilling Adventures of Sabrina”.
Ano de estreia: 2018.
Criado e produzido por: Roberto Aguirre-Sacasa, Craig Forrest, Ryan Lindenberg e Matthew Barry.
Duração: 10 episódios de +/- 55 minutos cada.
Nota do Gilga: 8.

Revelado elenco da série de TV The Witcher

A Netflix divulou o elenco de The Witcher. Até então, apenas Henry Cavill (Homem de Aço) estava confirmado como o protagonista Geralt de Rivia.

A sinopse oficial da série de TV diz: “O bruxo Geralt, um mutante caçador de monstros, luta para encontrar seu lugar em um mundo onde as pessoas provam com frequência serem mais perversas que as bestas.” O programa contará com oito episódios, gravados no leste e centro da Europa – principalmente na Polônia, país de origem da franquia. Confira abaixo a lista de atores que estarão na série:

Freya Allan (Into the Badlands) será Ciri; Anya Chalotra (Wanderlust) será Yennifer; Jodhi May (Game of Thrones) será a Rainha Calanthe; Bjorn Hlynur Haraldsson (Fortitude) viverá Eist; Adam Levy (Knightfall) interpretará o druida Mousesack; MyAnna Buring (Downton Abbey) dará vida a Tissaya e Millie Brady (Rei Arthur) será a princesa Renfri

A série terá produção executiva de Sean Daniel (Ben-Hur, A Múmia) e Jason Brown (The Expanse), com a produtora de efeitos especiais polonesa Platige Image, encabeçada por Tomek Baginski (A Catedral) e Jarek Sawko (The Fallen Art). Baginski dirigirá pelo menos um episódio de cada temporada.

Na Polônia, país de origem, os contos individuais escritos por Andrzej Sapkowski deram origem à uma saga de livros e série de TV, mas só ganhou fama internacional após o lançamento do game The Witcher, em 2007. É importante ressaltar que o seriado da Netflix não será baseado nos games da CD Projekt RED.

Fontes: Omelete e Jovem Nerd.


Pôsters de personagens da série de TV The Umbrella Academy

Umbrella Academy, série da Netflix que adapta as HQs escritas por Gerard Way e desenhadas por Gabriel Bá, teve novos posteres divulgados. Veja todos abaixo:


A produção live-action da Netflix acompanhará uma família disfuncional de super-heróis que tenta resolver a misteriosa morte do seu pai, assim como lidar com suas diferentes personalidades.

Ellen Page interpretará Vanya, a filha adotada de Reginald Hargreeves que, entre os irmãos, é a única sem poderes especiais. Tom Hopper (Game of Thrones) interpretará SpaceboyDavid Castañeda será o KrakenEmmy Raver-Lampman será RumorRobert Sheehan será SéanceAidan Gallagher será o Número 5Kate Walsh será The Handler, a confiante e instável líder de uma misteriosa e burocrática companhia preparada para resolver qualquer problema.

Ainda não há previsão para a série de TV de Umbrella Academy.

Fonte: Omelete.

Revelado 1º trailer de She-Ra da Netflix

Já temos o primeiro trailer para o remake de She-Ra da Neflix! Assista abaixo (quando tiver o legendado, atualizo aqui):


Gostei do traço utilizado da série – apesar da resistência popular quando a primeira imagem do remake foi revelada – leve e divertido, e como os personagens foram redefinidos para o séculos XXI.

O traje civil da Adora é lindo, e a série tem um humor bem peculiar, além de uma preocupação de ter personagens não brancos, coisa que o original não tinha. O Arqueiro, por exemplo, é moreno. Também achei fofo o redesign do Pingo, o monstrinho de estimação do vilão Hordak.

Notem que o título do desenho é She-Ra and The Princesses of Power, ou seja, She-Ra não vem sozinha.

O desenho estreia na Netflix em 16 de novembro.