[Primeiras Impressões] Titans

Para inaugurar o DC Universe, o canal de streaming da Warner/DC, em 12/10 estreou a série live-action Titans, baseada na superequipe Novos Titãs.

A série, apesar de mostrar adolescentes (nem todos), é mais adulta e bem violenta, se comparada com suas “primas” do Arrowverse (CW). Já no primeiro episódio, o Robin (Brenton Thwaites) não só espanca como ARREGAÇA uns bandidos e ainda manda o famigerado “Fuck Batman!” (aliás, bem bolado todo o contexto).

Além do ex-parceiro-mirim do Homem-Morcego, a série mostrou, nos primeiros três episódios, a Rachel “Ravena” Roth (Teagan Croft), personagem chatíssima (pelo menos aqui) e que parece ser o elemento central desta temporada, visto que inúmeros personagens querem matá-la, sequestrá-la ou protegê-la; uma desmemoriada Kory/Estelar (Anna Diop), que eu ainda não saquei qual é a dela, só que é bem poderosa; um Gar/Mutano (Ryan Potter) de relance e um pouco descaracterizado; Rapina (Alan Ritchson) e Columba (Minka Kelly), os heróis humanos com uniformes ridículos que tiveram suas origens ligadas à de Robin.

Tá. Pegando. Fogo. Bicho.


Eu sinceramente odiei as perucas/tingimentos dos personagens que são devidamente coloridos no original – Ravena, Estelar e Mutano -, acho que a escolha criativa não teve boa transposição de uma mídia pra outra. O único que teve uma boa caracterização é o Robin, por enquanto.

Quanto à trama, nestes primeiros episódios ainda tá tudo meio bolado, não deu pra sacar o que a origem da Ravena tem a ver com a porra toda, e porque a Kory perdeu a memória, mas estou dando o benefício da dúvida, visto que esta temporada terá 12 episódios. E espero muito que a série mostre logo a que veio. Estou ansioso pelo que ainda está por vir, como a Patrulha do Destino (com Brendan Fraser interpretando o Homem-Robô) e a Moça-Maravilha (Conor Leslie).

Com a segunda temporada já encomendada e com a exibição prometida também na Netflix (ainda sem data), Titans é a oitava série de TV em exibição baseada em personagens da DC Comics.

Anúncios

[Resenha] Castlevania – 2ª temporada

Também no dia 26 estreou a segunda temporada da série animada Castlevania, baseada na saga de games da Konami. E Castlevania voltou BEM diferente neste ano. Conto mais nos pontos positivos e negativos da 2ª temporada:

O que eu gostei:
– Pra começar, uma série TOTALMENTE NOVA. Parece que tentaram apagar os deslizes cometidos na temporada anterior (resenha aqui) e reescreveram a série com outro clima, outra pegada, e tá muito melhor, viu;
– A trama desse ano introduz vários personagens, os generais do Drácula – vampiros e humanos – que parecem ser de diferentes partes do mundo: Godbrand, que é um viking sanguinário e está sempre questionando as decisões de seu líder e seus companheiros; Isaac e Hector são humanos e os mestres da forja do Drácula. Isaac cria o Exército da Noite (criaturas demoníacas) enquanto Hector tem o poder de ressuscitar os mortes com seu martelo mágico; Carmilla, uma poderosa vampira que se alia a Drácula, mas suas intenções são outras, e ela se mostra uma perigosa estrategista;
– A dinâmica entre o trio de heróis Trevor Belmont, Alucard e Sypha é muito boa, com o filho do Drácula e Trevor se provocando o tempo todo e Sypha sendo a adulta tentando pôr razão na cabeça da dupla;
– A maior parte das cenas de luta são épicas, principalmente as que envolve o Alucard, que tem os poderes mais fodas da série;
– O estupendo castelo móvel do Drácula;
– A Estrela da Manhã (Morning Star);
– A batalha final contra o Drácula ♥

Trevor encontra uma nova arma.


O que eu não gostei:
– O traço do desenho e a animação estão com a qualidade inferior em relação ao ano anterior (DBZ, é você? rs), apesar de ainda ser bom e não comprometer muito a trama.

Apesar desta temporada focar mais no vilão do que no mocinho principal (Trevor), a trama é interessante e tem um excelente ritmo, onde vê-se o empenho dos roteiristas de trazer o lado “humano” de Drácula à tona e em como ele abandonou tudo após à morte de sua esposa Lisa (na 1ª temporada, tem um rápido flashback no episódio 2×01 que mostra outro ponto de vista sobre a morte dela), além de explorar um pouco o relacionamento do vampirão bigodudo com seu filho e jogar luz no passado (e antepassados) de Trevor.

A temível Carmilla, e Hector ao fundo.


Castlevania se mostrou um dos desenhos originais Netflix mais sensacionais até agora. Recomendadíssimo!

Título original: “Castlevania”.
Ano: 2018.
Criado e produzido por: Adi Shankar, Fred Seibert, Kevin Kolde, Warren Ellis, Larry Tanz, Toshiyuki Hiruma.
Elenco (voz): Graham McTavish, Richard Armitage, James Callis, Alejandra Reynoso, Emily Swallow, Matt Frewer, Tony Amendola.
Duração: 8 episódios de +/- 25 minutos cada.
Nota: 9,5.

[Resenha] Chilling Adventures of Sabrina – 1ª temporada

Na última sexta (26) estreou a 1ª temporada (ou 1ª parte, como está identificado) na Netflix a série Chilling Adventures of Sabrina (ou “O Mundo Sombrio de Sabrina”, em português), que é um “spin-off” de Riverdale (CW) e também baseada nos quadrinhos da Archie Comics.

Esqueça aquela série dos anos 1990, com Melissa Joan Hart no papel-título e o Salem animatrônico e engraçadalho. Como o próprio título da série Netflix sugere, a atual releitura é sombria e nada adolescente, com menções ao próprio Satã e rituais macabros, sacrifícios e mortes sangrentas e muitos sustos de verdade, além de cenas de nudez, inclusive da própria Kiernan Shipka que interpreta Sabrina Spellman (a atriz já tem 18 anos, ok?), pois afinal, foi baseada na série atual de quadrinhos de mesmo título, escrita também por Roberto Aguirre-Sacasa, o criador/roteirista das séries de TV Riverdale e Sabrina. Essa série é BAPHO e eu ainda não sei como as mães cristãs não fizeram boicote e alarde nas redes sociais por ser uma série pra lá de satânica (vai ver, porque elas ainda não assistiram rs).


Sabrina Spellman aniversaria em 31 de outubro (Halloween) e precisa decidir se assina ou não o Livro da Besta para assim entregar sua alma/liberdade a Lúcifer e receber os poderes plenos de bruxa ou manter sua vida humana com seus amigos, namorado e escola.
Os outros personagens são:
Zelda (Miranda Otto) e Hilda (Lucy Davis): as tias de Sabrina que a criaram desde as mortes dos pais dela. Administram uma funerária. Zelda é a mais severa porém protetora, e Hilda é a “mãe” boa que acaba fazendo as vontades da sobrinha;
Ambrose (Chance Perdomo): primo de Sabrina, que cumpre pena domiciliar e não pode sair de casa. Ele é responsável pelas autópsias e prepara os mortos para funerais. Sabrina sempre consegue ajuda dele. Ambrose é LGBT e ganha um interesse romântico masculino durante a temporada;
Harvey Kinkle (Ross Lynch): O boy da Sabrina. Ele é romântico e dedicado, o que torna a escolha da bruxinha entre escolher o mundo mortal ou das bruxas ainda mais difícil;
Mary Wardwell (Michelle Gomez): a solteirona e recatada professora de Sabrina, que acaba sendo “possuída” por uma entidade que a torna uma sexy e poderosa aliada/ameaça na vida de Sabrina. Ela está em toda parte vigiando a bruxinha, pessoalmente ou com seu corvo chamado Stolas;
Roz Walker (Jaz Sinclair) e Susie Putnam (Lachlan Watson): as amigas mais chegadas de Sabrina. Roz tem miopia degenerativa e, posteriormente, descobre um segredo em sua linhagem, enquanto Susie sofre bullying homofóbico por sua aparência.

A trama é uma montanha-russa de emoções e vemos Sabrina e aliados se metendo em altas tretas, com direito a feitiços dos mais diversos (tem muito “xingamento” em latim, o que achei bem bolado), uns plots twists sinistros (estou ainda chocado com o que Sabrina fez no episódio 8), que nos presenteou com assassinatos, vudus, ressurreições, zumbis, espíritos malignos, possessões, exorcismos e cavaleiros apocalípticos.

Um batismo pra lá de sombrio.


O Mundo Sombrio de Sabrina me surpreendeu bastante, pois desfez a imagem que eu tinha da personagem e apresentou novas abordagens interessantes tanto de história quanto como série em si. Recomendado (para quem não tem coração fraco rs).


Título original: “Chilling Adventures of Sabrina”.
Ano de estreia: 2018.
Criado e produzido por: Roberto Aguirre-Sacasa, Craig Forrest, Ryan Lindenberg e Matthew Barry.
Duração: 10 episódios de +/- 55 minutos cada.
Nota do Gilga: 8.

[Resenha] Demolidor – 3ª temporada

Na última sexta-feira (19) estreou na Netflix a terceira temporada de Daredevil – vulgo Demolidor -, série baseada no personagem Marvel. E gostei pra caramba, viu. Ouso dizer que esta temporada de Demolidor é a melhor temporada de todas as séries Marvel/Netflix!
Vamos logo aos prós e contras:

O que eu gostei:
– Trama deste ano muito bem construída. O texto tá de parabéns. Dei gostosas risadas com os comentários sarcásticos da irmã Maggie (Joanne Whalley). Se eu fosse uma freira, queria ser que nem ela;
– Os arcos dos personagens principais – Matt/Demolidor (Charlie Cox), Wilson Fisk/Rei do Crime (Vincent D’Onofrio) e Dex/Mercenário (Wilson Bethel) – foram sensacionais, apesar de eu achar que quase tudo o que o Fisk fez foi exagerado e que o arco do agente Ben Poindexter foi ousado e bem diferente da origem do personagem nos quadrinhos. As tramas pessoais de Karen Page (Deborah Ann Woll) e Foggy Nelson (Elden Henson) foram devidamente aprofundadas. Gostei até do episódio flashback da Karen, pois muito emocionante;
– As cenas de luta, principalmente as do plano-sequência maravilhoso na prisão no episódio 4 e da primeira luta de Matt contra o falso Demolidor no episódio 6. Muito visceral, muita porrada realista (ou foi de verdade? fica a dúvida);
– O Mercenário arremessando e ricocheteando objetos \m/
– O flashback “interativo” e em preto e branco de Dex assistido pelo Fisk. Muito daora aquilo!
Vanessa (Ayelet Zurer) “Rainha do Crime”.


O que eu não gostei:
– Nada em particular, fora um ou outro acontecimento que exigiu muita suspensão de descrença da minha parte. 

O 3° ano de Demolidor está de parabéns, provando, uma vez mais, que é a melhor, mais bem escrita e produzida série Marvel na Netflix. Recomendadíssimo.


Título original: “Daredevil”.
Ano de estreia: 2018.
Criado e produzido por: Drew Goddard e Kati Johnston.
Duração: 13 episódios de +/- 45 minutos cada.
Nota do Gilga: 9,5.

+10 grandes desenhistas de HQs

Devido ao grande sucesso do post “Os 10 melhores desenhistas de HQs” (o mais acessado do blog de todos os tempos), resolvi fazer uma nova lista de mais 10 grandes desenhistas, tentando incluir grandes artistas que ficaram de fora.

São eles (não estão em ordem de importância, e sim, alfabética):

Adam Hughes
Nacionalidade: norte-americana
Data de nascimento: 05/05/1967 (51 anos)
Seu estilo pin-up é marcado por mulheres estonteantes. Já trabalhou com Liga da Justiça América, Mulher-Gato e Mulher Maravilha na DC e fez algumas capas pra Marvel também;


Clay Mann
Nacionalidade: norte-americana
Data de nascimento: –
Clay tem um traço sóbrio e realista. Já trabalhou com X-Men (Marvel), Superman e Batman (DC) e alguns títulos da Valiant Comics. Tem um irmão gêmeo chamado Seth que é arte-finalista;


Esad Ribić
Nacionalidade: croata
Data de nascimento: 1972 (46 anos)
O traço desse croata é impressionante e sua pintura é quase realista. Seus trabalhos mais importantes estão na Marvel, tais como X-Men, Surfista Prateado e Loki;


Frank Cho
Nacionalidade: sul-coreana
Data de nascimento: 02/12/1971 (46 anos)
Seu traço é marcado por mulheres curvilíneas e homens de músculos retesados. Seus maiores trabalhos também estão na Marvel, em títulos como Vingadores, Shanna e Hulk;



Gabrielle Dell’Otto
Nacionalidade: italiana
Data de nascimento: 20/12/1973 (44 anos)
Com um estiloso traço com pintura realista, este italiano trabalha fazendo capas para Marvel e DC, e também foi responsável pelas páginas internas da minissérie X-Force: Sexo e Violência (2010), com Wolverine e Dominó;


Greg Horn
Nacionalidade: norte-americana
Data de nascimento: –
Seu forte é a figura feminina, que beira ao realismo. Já passou por Elektra, Emma Frost (Marvel), Tropa dos Lanternas Verdes (DC) e Witchblade (Image);


Jim Cheung
Nacionalidade: britânico
Data de nascimento: 1972 (46 anos)
Um dos meus desenhistas favoritos, tem um traço marcante e já desenhou Vingadores: Iluminatti, Os Jovens Vingadores (cocriador) e a saga Vingadores vs. X-Men (2014);


Joe Quesada
Nacionalidade: norte-americana
Data de nascimento: 01/12/1962 (55 anos)
Atual editor-chefe da Editora Marvel, Quesada já passou por Homem-Aranha, Demolidor (Marvel), Batman (DC) e Ninjak (Valiant);


Ron Lim
Nacionalidade: norte-americana
Data de nascimento: 1965 (53 anos)
Um dos que estão há mais tempo em atividade desta lista, Ron Lim teve seu auge entre os anos 1980 e 1990 em séries como Surfista Prateado, X-Men 2099 e a Trilogia do Infinito;


Steve Epting
Nacionalidade: norte-americana
Data de nascimento: –
Mais um das antigas, já passou por vários títulos na Casa das Ideias, como Vingadores e X-Men, e também na DC, em Superman e Aquaman, e na Image em Velvet.


Volto em breve com uma nova lista. Aguardem!


Teaser trailer e pôster de Aladdin

A Disney liberou na noite desta quinta-feira (11) o primeiro teaser do live-action de Aladdin. Confira o teaser legendado abaixo:


O filme terá Mena Massoud como Aladdin, Naomi Scott viverá Jasmine, Marwan Kenzari será o Jafar e Will Smith interpretará o Gênio. Completando o elenco ainda temos Navid Negahban (Sultão), Billy Magnussen (Príncipe Anders) e Numan Acar (Hakim).

O teaser tem pouco mais de um minuto e basicamente mostra a icônica cena de Aladdin encontrando a Lâmpada Mágica na Caverna das Maravilhas.

Também tivemos, no dia anterior, a revelação do primeiro pôster do filme. Tá bonitão:


Aladdin
faz parte de uma série de live-actions que a Disney está produzindo a partir das suas mais clássicas animações, como O Rei Leão, Lilo e Stitch, Dumbo e Mulan.

O filme é dirigido por Guy Ritchie e tem estreia marcada para 24 de maio de 2019.

Fonte: Critical Hits.


Revelado elenco da série de TV The Witcher

A Netflix divulou o elenco de The Witcher. Até então, apenas Henry Cavill (Homem de Aço) estava confirmado como o protagonista Geralt de Rivia.

A sinopse oficial da série de TV diz: “O bruxo Geralt, um mutante caçador de monstros, luta para encontrar seu lugar em um mundo onde as pessoas provam com frequência serem mais perversas que as bestas.” O programa contará com oito episódios, gravados no leste e centro da Europa – principalmente na Polônia, país de origem da franquia. Confira abaixo a lista de atores que estarão na série:

Freya Allan (Into the Badlands) será Ciri; Anya Chalotra (Wanderlust) será Yennifer; Jodhi May (Game of Thrones) será a Rainha Calanthe; Bjorn Hlynur Haraldsson (Fortitude) viverá Eist; Adam Levy (Knightfall) interpretará o druida Mousesack; MyAnna Buring (Downton Abbey) dará vida a Tissaya e Millie Brady (Rei Arthur) será a princesa Renfri

A série terá produção executiva de Sean Daniel (Ben-Hur, A Múmia) e Jason Brown (The Expanse), com a produtora de efeitos especiais polonesa Platige Image, encabeçada por Tomek Baginski (A Catedral) e Jarek Sawko (The Fallen Art). Baginski dirigirá pelo menos um episódio de cada temporada.

Na Polônia, país de origem, os contos individuais escritos por Andrzej Sapkowski deram origem à uma saga de livros e série de TV, mas só ganhou fama internacional após o lançamento do game The Witcher, em 2007. É importante ressaltar que o seriado da Netflix não será baseado nos games da CD Projekt RED.

Fontes: Omelete e Jovem Nerd.


Curta Little Cops, nossa página de tirinhas

Nesta semana finalmente estreou nossa página de tirinhas, cuja ideia nasceu há mais de 5 anos, mas só agora consegui concretizar o projeto, contando com a ajuda de amigos e colegas da faculdade, são eles: Carlos Prestes, Fabiana Caetano, Nicole Erichsen, Ricardo Martins e Yago Wiezorkoski.
A página se chama Little Cops (trocadilho em inglês com “tirinhas”) e temos a intenção de publicar uma tirinha por dia lá, e ainda teremos algumas participações especiais esporadicamente.
Peço a todos que curtam a página e os posts e nos ajudem a divulgar nosso trabalho.
Grato!


Sigam a página também no Twitter: https://twitter.com/littlecops

Fique agora com a tirinha de estreia, “O Pequeno Gafanhoto”, de minha autoria:


Pôsters de personagens da série de TV The Umbrella Academy

Umbrella Academy, série da Netflix que adapta as HQs escritas por Gerard Way e desenhadas por Gabriel Bá, teve novos posteres divulgados. Veja todos abaixo:


A produção live-action da Netflix acompanhará uma família disfuncional de super-heróis que tenta resolver a misteriosa morte do seu pai, assim como lidar com suas diferentes personalidades.

Ellen Page interpretará Vanya, a filha adotada de Reginald Hargreeves que, entre os irmãos, é a única sem poderes especiais. Tom Hopper (Game of Thrones) interpretará SpaceboyDavid Castañeda será o KrakenEmmy Raver-Lampman será RumorRobert Sheehan será SéanceAidan Gallagher será o Número 5Kate Walsh será The Handler, a confiante e instável líder de uma misteriosa e burocrática companhia preparada para resolver qualquer problema.

Ainda não há previsão para a série de TV de Umbrella Academy.

Fonte: Omelete.

Novo trailer de Aquaman

A Warner laçou hoje o 2º trailer de Aquaman. Veja aqui legendado:


Apesar de eu achar que CINCO MINUTOS de trailer é exagero e que certamente o filme foi praticamente todo mostrado nos dois trailers lançados até então, fiquei empolgadíssimo com o vídeo. Acho que Aquaman tem tudo pra ser o melhor filme da DC até então.
Temos Nicole Kidman mandando ver nos bandidos com um tridente (!!), perseguição em telhados, o vilão Arraia Negra (Yahya Abdul-Mateen II) fodíssimo (e muito fiel ao visual dos quadrinhos), e uma Atlântida com altas tecnologias, com direito a batalha épica com soldados montados em cavalos-marinhos gigantes, tubarões e outras criaturas enormes e ameaçadoras.

Ontem também tivemos a revelação de um novo pôster, mostrando um pouco do uniforme metálico berrante do protagonista (Jason Momoa):


Aquaman, dirigido por James Wan, estreia no Brasil em 13 de dezembro.