[Atualizado] Precisamos falar sobre a toxicidade dos gamers

A polêmica no Twitter BR entre ontem e hoje foi sobre a treta com a Gabriela Cattuzzo – que até então eu não conhecia -, uma streamer que, após sofrer discriminação num game online de um homem, desabafou, putaça e com razão, no Twitter, afirmando que homens são lixo, sofreu uma avalanche de ataques, de homens que vieram com o famigerado “nem todo homem”, insultos e ameaças de morte – caralho, os caras pegam pesado – e, ao descobrirem que ela é patrocinada pela Razer, empresa brasileira de periféricos de PC, os babaquinhas encheram o saco da mesma no Twitter até que a empresa soltou essa nota vexaminosa:

Ou seja, ao invés dos caras aproveitarem a polêmica para tentar tornar o universo gamer um pouco menos tóxico, eles optaram pelo caminho mais “fácil” (e mais rentável) e defenderam os agressores da Gabi, prometendo não renovar o contrato com a streamer alegando que ELA é quem praticou discriminação. “Totalmente contrária a qualquer tipo de discriminação” uma ova! As minas sofrem todo o tipo de assédio, discriminação e ódio TODOS OS DIAS (e isso é uma realidade das gamers, só perguntar) e daí quando são os hominhos que não sabem receber uma crítica e fazer uma inflexão sobre o comportamento masculino (online e offline), a Razer preferiu defender os homens machistas, que infelizmente são a maioria de seus clientes.

Link para matéria da notícia: Gamer perde contrato com marca após acusação de ‘preconceito contra homens’.

Separei alguns tweets que expressam bem o que eu penso sobre o caso da Gabi:

“O pau dele caiu porque uma mulher escreveu palavras na internet”.
Total! Ah, se eu fosse concorrente da Razer…

Lembro de uma certa feita em que a Bruna Penilhas, da IGN Brasil, sofreu ataques após escrever um artigo de um jogo, onde os caras chegaram até a pedir o “currículo gamer” dela – no caso, a conta do PSN, só pra verificarem se ela era “gamer” mesmo, se jogava de fato ou só fingia pra falar “mal” dos games no portal. Obviamente ela não deu – e com razão – para evitar que a procurassem online nos games e assediassem ela, mas isso é uma coisa que acontece direto com mulheres gamers.

E não são só as mulheres que sofrem com a toxicidade dos gamers, crianças também, independente do sexo. Coincidentemente na semana passada, nos EUA, rolou o caso do Jake McDermott, um garoto que deve ter uns 10 anos (não consegui confirmar a idade dele) – e que também é um ator-, e que sofreu ataques de haters (maioria de gamers) em sua conta de Instagram após ele criticar, em vídeo, o hype em cima de Keanu Reeves e de Minecraft. As pessoas são obrigadas a gostar do que vocês gostam? E nem uma criança os caras perdoam, e o Jake sofreu tanto ódio – inclusive ameaças de morte – que teve que se desculpar publicamente, mas olha só esse exagero. A que ponto chegamos, minha gente. O respeito online é ZERO.

Resumindo o post: dizem que mulher é o “sexo frágil”, que é sensível e chiliquenta, mas homens vivem tornando a vida delas nos games (e fora deles também) um inferno, daí quando uma mina não aguenta mais e explode dizendo que homem é lixo (não tá errada), pensa num bicho frágil e chiliquento. No fim, os homens provaram que Gabi estava certa: são lixo mesmo. Preconceito contra homem cis é o mesmo que racismo reverso e “cristofobia”: não existe.

Por favor, homens: façam terapia e aprendam a tratar de forma minimamente decente as mulheres, pois do jeito que tá, a comunidade gamer só tem a perder com tanto ódio. Vamos criar um ambiente saudável para todos, incluindo crianças, mulheres, negros e LGBTs, para aproveitarmos os joguinhos que deveriam nos divertir, entretanto a experiência infelizmente passa a ser estressante e, muitas vezes, traumática, e depois, quando os conservadores disserem que games são os culpados pela violência – eu nunca esqueço do caso dos atiradores de Suzano/SP, inclusive bem recente – a gente ter algum argumento sólido para defender nossa comunidade, beleza?

Pra ter um pouco de paz, Gabi foi obrigado a fazer isso, fora que ela perdeu o patrocínio dos arrombados da Razer, né.

[Atualizado] Segue vídeo postado em janeiro deste do Pipocando Games jogando CS:GO com uma menina e pegando as reações dos meninos online. Uma experiência social bem interessante:

[Atualização 2] Apareceu na minha timeline esta arte da Maryne Lahaye, que eu acho que traduz bem o argumento contra a frase “Nem todos os homens”:
“Nós sabemos que não são TODOS os homens, héteros, brancos etc, mas são MUITOS. É o BASTANTE. E você se ofendendo mais com a sugestão que MUITOS dos seus iguais podem ser maus do que pelo dano que eles causam DE VERDADE… Faz você parte do problema.”

Anúncios

Curta Little Cops, nossa página de tirinhas

Nesta semana finalmente estreou nossa página de tirinhas, cuja ideia nasceu há mais de 5 anos, mas só agora consegui concretizar o projeto, contando com a ajuda de amigos e colegas da faculdade, são eles: Carlos Prestes, Fabiana Caetano, Nicole Erichsen, Ricardo Martins e Yago Wiezorkoski.
A página se chama Little Cops (trocadilho em inglês com “tirinhas”) e temos a intenção de publicar uma tirinha por dia lá, e ainda teremos algumas participações especiais esporadicamente.
Peço a todos que curtam a página e os posts e nos ajudem a divulgar nosso trabalho.
Grato!


Sigam a página também no Twitter: https://twitter.com/littlecops

Fique agora com a tirinha de estreia, “O Pequeno Gafanhoto”, de minha autoria:


[Atualizado] RIP MAA

MAA_logo

Depois do duro golpe de ontem na democracinha brasileira, hoje me acordo com a notícia de que o game para Facebook Marvel: Avengers Alliance será descontinuado em 30/09, juntamente com seu sucessor para mobile Marvel: Avengers Alliance 2. Rumores dão conta que MAA2 não fez o sucesso esperado, e o caso do primeiro MAA é que o jogo já está defasado (graficamente falado), o que é uma pena, porque a impressão que eu tinha era de que o game ainda tinha uma imensa base de jogadores ativa.

MAA aviso

Jogo MAA desde o lançamento, há 4 anos e meio. Lembro até hoje eu lá em São Paulo, quando fiquei na cidade por 4 meses tentando me virar e arranjar emprego, e ia para a lan house (porque eu não tinha internet em casa ainda), a partir de fevereiro de 2012, só para jogar a grande novidade da rede social do Zuckerberg, um joguinho de RPG de turnos com os personagens da Marvel, era – e ainda é pra mim – sensacional. Boas lembranças ele me deixará. Mas ainda indignado com essa atitude da Disney e os caralho a quatro. E o pior de tudo é que não um jogo à altura para substituí-lo em meu coração, nenhum que chegue perto em diversão.

Mas enfim, bola pra frente.

[Atualizado] Como saideira, a Playdom (produtora do MAA) concede hoje aos jogadores 90 Command Points (moedas usadas para recrutar personagens) e 50 Full Energy, além de lançar a última Special Operation do jogo, de nº 36 intitulada “Truth of Inifinity”, que dá de prêmio o herói cósmico Adam Warlock, além de estar disponível para recrutamento, por 90 CPs, a Tigresa Branca (White Tiger).

Artista redesenha o mapa-mundi de Final Fantasy IV

O artista TJ Townsend tem um canal no Youtube onde ele publicou um vídeo em que redesenha o mapa-mundi do RPG Final Fantasy IV (game da Square-Enix originalmente para SNES, que ganhou remakes para GameBoy Advance, Nintendo DS e celulares). Veja o vídeo e babe no talento do cara!

Eu quase chorei assistindo, tanto pela homenagem a esse episódio tão lindo da saga FF quanto pelas habilidades dele no Photoshop (programa onde praticamente ele fez todo o mapa, excetuando a parte onde ele usou o 3D Max pra fazer as montanhas), usando várias ferramentas – que não dá pra ver – e imagens de paisagens reais para montar a colcha de retalhos que é o mapa, terminando com chave de ouro, onde ele recria as cidades e outros locais do game de forma sensacional (notem ele usando uma foto da Torre de Pisa pra montar a Tower of Babel!)!

Fonte: Kotaku.