Blog Action Day 2015: Erga Sua Voz #BAD2015 #RaiseYourVoice

BAD2015
Explicando o Blog Action Day: é uma ação organizada pelo grupo change.org e que ocorre uma vez por ano, envolvendo blogueiros em todo o mundo, e todos se unem para falar de um mesmo assunto importante, escolhido previamente. Neste ano o tema é Erga Sua Voz (#RaiseYourVoice), explicado a seguir:

Todos nós temos o poder de criar o mundo que nós desejamos ver quando erguemos nossas vozes online. Contudo, muitos de nossos blogueiros parceiros, jornalistas e escritores, cada publicação que eles compartilham trazem grande risco pessoal. Em 2015 temos visto ataques sem precedentes a aqueles que publicam suas ideias online.
No Blog Action Day deste ano nos celebramos esses heróis que erguem sua voz quando encontram censura, ameças e violência. Nós vamos erguer nossas vozes para defender o direito deles de erguer suas vozes.

É inegável que, com o advento e popularização da internet, muitas vozes, antes silenciadas pelo anonimato, ganharam espaço para serem livres para falar o que querem, mas em muitas partes do mundo, onde não há democracia ou quando ela não é forte o bastante, essas pessoas – sendo elas jornalistas, escritores, blogueiros ou até mesmo pessoas comuns em suas redes sociais – são impedidas de exercer um direito básico do ser humano, o de ir e vir.

As redes sociais foram ferramentas fundamentais na chamada Primavera Árabe, iniciada em 2011 em parte do mundo árabe e que resultou em revoluções na Tunísia e no Egito, e em guerra civil na Líbia e na Síria, afim de tentar conter a censura e a repressão.

Um exemplo recente e semelhante no Brasil aconteceu durante os protestos iniciados em 2013, onde, no Twitter e no Facebook era possível de acompanhar relatos de pessoas envolvidas nas manifestações – direta ou indiretamente – relatando os acontecimentos, principalmente sobre a violência e os excessos praticados pelas forças policiais (principalmente) e também por vandalismo civil. Se não fossem as redes sociais, o que saberíamos desses ocorridos seria o que foi dito pelas mídias tradicionais – TV e imprensa – que todos sabemos que são parciais e tendenciosas (de direita).

Outro exemplo que posso usar foi o que ocorreu em Minas Gerais entre 2003 e 2010 durante o mandato de Aécio Neves quando ele cerceou e por muitas vezes censurou a imprensa mineira. Há muito tempo lá se sabia da construção do aeroporto particular administrado por um parente do atual senador feito com dinheiro público, mas só foi divulgado muito tempo depois durante a corrida eleitoral no ano passado. Isso sem contar dos processos de Aécio contra o Google e outros sites de buscas onde ele exigia que fossem removidos links que vinculavam seu nome aos termos “uso de entorpecentes” e de que desviou dinheiro da saúde pública mineira (spoiler: ele perdeu as ações na justiça).

Um dos itens defendidos pelos Direitos Humanos é a liberdade de imprensa, e com ela sempre devemos ter acesso à toda e qualquer informação imparcial, doa a quem doer (ou, pelo menos, deveria ser assim no Brasil, né).

P.S.: Leia as minhas participações em 2010, 2011, 2013 e 2014.

Anúncios